segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Jovens deveriam trabalhar no fast food?

Olá amigos, como viram ficou por ai o título de um post que eu decidi não fazer sobre meus atuais colegas de trabalho. Postei sem querer e ia editar mas decidi não postar pois não estou aqui pra falar coisas óbvias e negativas.

Semana passada passou na TV uma espécie de maratona de Undercover Boss e outros programas de business, e no UB geralmente são de empresas de fast food, depois passou um de O Sócio (The Profit) com a mesma temática em um restaurante desse tipo porém de comidas naturais. Acabei assistindo quase meia dúzia. 

Aliás O Sócio é mesmo um excelente programa que ensina conceitos importantes de capitalismo. Conceitos que a algumas décadas, segundo meus estudos pessoais, estão ficando cada vez mais restritos aos ricos (aos pobres só socialismo). Vejo neste programa a diferença entre um típico empregado brasileiro que considera capitalismo "a ética de acumular e ostentar dinheiro" e do americano que sabe que uma empresa e empregados precisam gerar valor para o cliente, ter a contabilidade saudável e tudo tem custo. Se você não conhece este programa assista alguns episódios.

Neste último que assisti gostei muito de ver uma reunião de qualidade com os empregados, onde falaram das cotas que cada shareholder da empresa tinha. Na hora pensei, em uma sociedade assim, a pessoa comum sabe que pode trabalhar e acumular fatias cada vez maiores de empresas, que lhe trarão lucro. Nunca tinha visto um patrão falando de shares com os empregados. Isso simplesmente abre a cabeça do peão, que pensa: "vou juntar x associados e abrir MEU PRÓPRIO balde de frituras, ou oficina mecânica, escritório ou o que for, ao invés de ser empregado desse babaca pra sempre já que nunca poderei abrir uma empresa sozinho.

O objetivo é por PAPEL NO BOLSO e não simplesmente "escalar" vagarosamente a escada das promoções  que darão 50 reais líquidos a mais no salário.

No Brasil o pensamento comum é de que existe uma classe rica que é capaz de abrir um negócio sozinho, e a classe dos proletários que trabalha (a mídia os chama de "trabalhadores"), e talvez após juntar 100% do salário, após 30 anos quem sabe abre o seu. Triste! Essa é a mentalidade anticapitalista em um ambiente anticapitalista. 

Nestes programas vemos empresas venderem ações para investidores, desde a ideia seminal onde as ações são vendidas para amigos e parentes até a venda de cotas para grandes investidores quando a companhia gera lucro ou tem potencial disso. Isso é capitalismo puro. No Brasil vemos empresas quebrarem ou pararem de crescer por não existir essa mentalidade.

Voltando ao tópico, no Undercover Boss e também no Kitchen Nightmares do cheff Gordon Ramsey (este bem mais crítico com a gerência) são mostradas habilidades que podem ser aprendidas por qualquer jovem e depois replicadas em outros modelos de negócio. Como é escroto ver jovens pagando caro (geralmenre fazem isso porque os pais pagam) por cursos de gestão ou administração que só ensinam abobrinha, podendo aprender o básico (de verdade) num joint de hambúrguer. Sei disso porque estudei essas coisas e o conteúdo está todo de graça em livros e na Internet.

O restaurante que estou trabalhando part-time fica em um shopping e vi todo tipo de esquisito trabalhando nos fast foods nestes quase 3 meses (aliás daqui a uns dias me demito pra viajar ao Brasil). O que observei de mais interessante foi que esses ambientes oferecem uma espécie de "seleção natural" com esteroides. Diferente do emprego que um formado em curso superior normalmente arruma no Brasil (mesmo ganhando sua merreca) o turnover dos fastfoods é altíssimo. Os menos eficientes são descartados rápido e os esforçados escalam no meio dependendo de sua dedicação e aprendizado, afinal não parecem ambientes que alguém se mantenha por política ou títulos.

Vou listar alguns motivos pelos quais acredito que esse tipo de trabalho é bom pra jovens:

- empregam quase qualquer pessoa saudável, inclusive gente feia. Isso é ótimo se você nunca teve uma experiência profissional.
- dão uniforme. Poderia escrever um livro sobre como isso é bom pra pobres pois tive dois empregos onde usei uniformes.
- empregam jovens que ainda estão em idade escolar. Da pra aprender mais coisas, antes de seus concorrentes no mercado, que é o que todos que você conhece realmente são.
- não precisa ter experiência.
- tem que aprender a lidar com clientes de todas as idades que te veem como inferior. Na vida é importante desenvolver uma autoestima inabalável e só se faz isso levando martelada.
- lidar com muitos colegas e realmente trabalhar em equipe. Só assim você adquire "feeling" sobre o profissionalismo e eficiência de alguém, muitas vezes só de olhar pra pessoa.
- tem que aprender a fazer caixa, mexer com grana e visualizar metas de venda como objetivo do negócio. Infelizmente muitos negócios não te dão a noção de que servir o cliente e VENDER são o verdadeiro objetivo. Nunca entendi a lógica de recomendar que jovens trabalhem em ONGs ao invés de "subempregos" pra ganhar experiência.
- conviver com a possibilidade de perder o emprego da noite pro dia. Isso é muito importante pra desenvolver a mente de caçador que nunca é pego desprevenido. Cara que não aceita que o mundo é muitas vezes injusto não tem chance.
- aprende que um negócio é gerido através de variados processos e não por gerentes sábios iluminados. Assim se aprende que você é capaz de aprender qualquer coisa na vida que outro humano com QI médio executa se não for preguiçoso nem burro demais.
- tem que trabalhar em velocidade máxima 100% do tempo. Acredite, eu valorizo mais esses caras que qualquer funça da face da terra.
- provavelmente anseiam por galgar posições superiores pra fazer mais dinheiro e trabalhar menos. Esse é o objetivo da vida profissional. Ser mais pago com menos esforço é o que separa os espertos da massa. Aqui um adendo: na maioria dos empregos o chefe de nível médio acaba se estressando mais por ter mais responsabilidades. É importante observar isso pois tempo livre para desenvolver-se e executar hustles é importante. Nunca se enterre em um emprego sem saída.
- tomam mijadas dos clientes e chefes sem motivos óbvios. Quanto antes se notar que todo ser humano é um psicopata em potencial, melhor.
- não leva trabalho pra casa. Se trabalhar mais vai ganhar mais. Parece óbvio mas nunca ganhei hora extra e se tivesse trabalhado nisso as teria exigido em todos os meus empregos.
- provavelmente é o primeiro, e as vezes a única alternativa de dinheiro lícito que muita gente tem.

Antes que uma máquina substitua esse tipo de cargo, acho extremamente válido, principalmente pra quem tem o destino marcado pela "armadilha da classe média" que descrevi aqui no blog.

Os contras certamente são vários. Trabalhar servindo gente é foda. Mas quem não tem habilidades para conseguir algo melhor não tem porque pensar nisso.

Pra adultos já mais qualificados acho que não faz muito sentido fritar hambúrguer (a não ser que precise de um emprego, se for seu caso agarre o que for e FODAM-SE os outros). Os fast food são como um "turbo" de aprendizado pra quem não trabalhou ainda e precisa aprender a ética capitalista.

Se você é um jovem estudante e não tem habilidades capitalistas você precisa arrumar um emprego o mais rápido possível, e provavelmente você tem pouquíssimas opções. Você precisa aprender a SER PAGO quando sai de casa, assim como a alguns séculos os homens precisavam aprender a voltar pra casa com a carne das bestas selvagens ou morreriam de fome.

Tenho mais uns textos escritos do que ando pensando já para esta semana, fique ligado.

32 comentários:

  1. Ótimo post, CF!

    Assino embaixo. Nada como ter a experiência in loco. As pessoas super estimam o valor de um curso superior. Acham que as coisas acontecem como mágica, onde ao terminar uma faculdade automaticamente seu salário sobe 100%. As pessoas não entendem que o conceito mais básico de ganhar dinheiro é gerar valor.

    Repito: Muito bom post!

    Abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se eu soubesse disso que você falou a 10 anos, nem teria feito faculdade. Grande abraço!

      Excluir
  2. Fala CF!

    Tenho dois amigos que cresceram depois de trabalhar em fast food. Um trabalhou por um tempo e acredito que pegou as manhas pois está bem hoje. O outro cresceu dentro do próprio fast food. Legal que o que ganhou lá usou para ir ao Japão e ganhar mais dinheiro. Esse meu amigo virou capitalista mesmo, só não sei se administrou a grana toda rsrs

    O legal que ambos começaram com 16, 17 anos. Eu nessa época tentei ganhar dinheiro com computadores, para não alongar você me deu ideia para um próximo post. aguarde rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou no aguardo de sua história.
      Esses caras que começam cedo massificam conceitos importantes como ser pago pelo trabalho, enquanto quem tem vida fácil geralmente está se educando de modo errado e vai sofrer por isso.

      Excluir
  3. Olá CF!

    Acredito que jovens devem trabalhar cedo em qualquer coisa! Atualmente eles estão passando por um processo de empoderamento ridículo, o que faz com que eles queiram nos dar lições de tudo. É um mundo virado de cabeça para baixo! Querem dar opiniões sobre tudo sem saber de nada. Um emprego, com certeza, ajuda a mostra o lado real da vida.

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também acho que devam trabalhar seja no que for.
      Absurdo isso. Jovem não sabe porra nenhuma da vida. Não me venham com "mais informação do que os pais tinham" como muitos gostam de dizer... De que adianta ter 20 anos de estudo, doutorado e etc e não conseguir por comida na mesa? Foda-se cansei de papo furado.

      Um abraço

      Excluir
  4. Muito bom seu texto, quanto ao recomendar jovens a trabalharem em ONGs é só para mantê-los inúteis e dependentes do estado. Sem dependência estatal nem a ONG sobrevive, é um ciclo da parasitagem.

    Tem um vídeo recente da PragerU que me deixou angustiado. Um dos palestrantes de lá foi a um campus e começou a balançar a bandeira dos E.U.A. gritando frases de liberdade e outras coisas patrióticas que refletem uma parte da mentalidade americana. Teve um monte de mongóis xingando o cara, dizendo para abaixar a bandeira, que o país era uma merda e etc. Ele fez a mesma experiência, só que com a bandeira do ISIS, não é que teve um monte de mongolão apoiando?! Nosso mundo está um lixo, temos que ter uma 3ª guerra para eliminar os mais fracos, se o capitalismo tem um defeito grave, é o de criar pessoas fracas, ingratas e mimadas.

    Abraços e sucesso financeiro!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse vídeo me deixou triste. Eu realmente acredito que quem não gosta dos USA deve juntar as trouxas e ir embora pra qualquer um dos 180 países socialistas e terroristas que tem por ai ao invés de tentar mudá-lo. Bando de vadios.

      Valeu!

      Excluir
  5. Excelente post CF.

    Eu trabalhei muito na roça desde de criança. Para quem mora na cidade essa é uma boa saída. Também algum serviço de peão.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem que trabalhar desde cedo, ser malhado como aço. O ser humano é assim, ou aprende o valor do trabalho desde jovem ou vira um filosofo vadio comunista.

      Excluir
  6. O post da armadilhas da classe média não apareceu, coloca nos comentários pra quem quer ler.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. https://conhecimentofinanceiro.blogspot.pt/2017/10/a-trajetoria-da-classe-media-brasileira.html?m=0

      Excluir
  7. Baita texto! Concordo em tudo! A vida real é a melhor escola e essas lições que uma pessoa (não só o jovem) pode aprender trabalhando num serviço paulada são muito importantes para o desenvolvimento. Essa é a razão de eu estar trabalhando CLT atualmente: aprendizado. Já posso dizer que aprendi mais nesses últimos meses a respeito da vida como um todo que em vários anos fechado no meu mundinho de empreendedor.

    Indo mais para o lado técnico: como vc resume o lance de emprego em PT? Está tão difícil como pintam por aí ou existe sim trabalho (estou falando como um todo, trabalho comum, salário mínimo mesmo). Existem part times? Um adulto consegue um serviço num Mc Donalds da vida?

    Grande abraço e parabéns pelo, blog, tenho fuçado ele e achado muita coisa excelente.

    Corey

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem emprego sim, só tem três poréns:
      - Tem que estar de algum modo legalizado, ou dar recibos verdes como profissional liberal, mas ai só se sobrevive em alguns trades específicos como construção, por exemplo.
      - Tem muito golpe de empregos realmente ruins pra pessoas desesperadas.
      - Os salários são bastante baixos e isso geralmente é um filtro pra quem não tem aptidões de sobrevivência fora do carpete da vovó até que a coisa melhore.

      O carpinteiro que eu estava trabalhando junto começou a trabalhar aos 12 anos quando o pai morreu. Ele dizia uma coisa sobre os empregos aqui: só fica desempregado quem quer barbada. Se o cara precisar até de lixeiro em obra aceita.

      A maioria de quem não consegue nada na Europa é porque não aceitou trabalhar em algo fora de sua área. Eles que acordem... Imigrantes não tem como levar a vida de um nativo estabelecido a 5 gerações, querer ter filhos, casa e carros fodas... Só porque tem um diploma brasileiro. Tem que pegar o emprego que tiver e ir crescendo enquanto aprende as regras do local.

      Obrigado pelo elogio, você tem um ótimo blog e é muito bem vindo.

      Excluir
    2. Minha percepção, mesmo de longe, é a mesma. Vejo muita gente reclamando que Portugal não tem emprego mas acredito que essas pessoas são as mesmas que começaram a trabalhar no Brasil em suas áreas de formação somente após a terceira pós graduação, sendo até então sustentadas pelo papai, ou seja, geração mimimi.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
    3. Corey é isso sim. 90% vai ser pega em cheio com o estouro da bolha do ensino, e tudo indica que será nos próximos 10 anos com a revolução que os robôs causarão nos empregos.

      Excluir
  8. Tem quantos anos, 32?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sujeitinho arrogante você em.

      Excluir
    2. Rs gosto como não se importa com o pensamento que terão sobre vc, é importante saber dizer "não", independentemente se algum anon vai achar que vc é arrogante. A opinião alheia não paga nossas contas.

      Excluir
    3. Esse tipo de pergunta como idade, estado em que mora e etc servem só pra te medir e mais tarde julgar.
      Está cheio de ciumento por ai disposto a fazer um docie seu e criticar suas atitudes. Já aconteceu com o VDC, o viver de renda, e outros.

      Excluir
  9. Ótimo post CF

    Poderia explicar melhor esse trecho?

    "O Sócio é mesmo um excelente programa que ensina conceitos importantes de capitalismo. Conceitos que a algumas décadas, segundo meus estudos pessoais, estão ficando cada vez mais restritos aos ricos (aos pobres só socialismo)."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado.
      O capitalismo acaba com castas e privilégios. O que conta é quem gera mais valor com o trabalho, esse fica mais rico. Por isso os governos e seus associados atacam tanto capitalismo e meritocracia, chegando ao ponto de esconder as regras capitalistas dos pobres, pois conhecê-las lhes faria ricos.
      No capitalismo o dinheiro troca de mão muito rápido, e isso ameaça os poderes estabelecidos.

      Os ricos continuam estudando as regras capitalistas. Trabalhar, gerar valor, escolher bons ramos e ativos, acumular patrimônio...
      Os pobres não. Só aprendem sobre direitos irreais, democracia, seguir sonhos tolos, vícios. Seguem a cartilha da escola e da mídia. Tornam-se dependentes e levam uma vida de escravo. Na hora de buscar atingir algo na vida, é sempre através do social, nunca do indivíduo. Por isso estão fodidos.

      Excluir
  10. Um dos melhores textos que já li em seu blog, CF.

    A essência da vida profissional foi perfeitamente resumida por você: '(...) provavelmente anseiam por galgar posições superiores pra fazer mais dinheiro e trabalhar menos. Esse é o objetivo da vida profissional. Ser mais pago com menos esforço é o que separa os espertos da massa."

    Bertrand Russel uma vez mencionou algo parecido, no qual sinceramente não recordo suas exatas palavras, mas que em essência era o seguinte: "existem dois tipos de trabalho na face da terra. Os que movem algo do ponto A para o ponto B, e aqueles que mandam o primeiro mover. Regra geral, os primeiros trabalham muito e são mal pagos, enquanto que os segundos trabalham pouco e são bem pagos." Ele falou isto mais de 100 anos atrás e, apesar de toda tecnologia inventada desde então, continua sendo um conhecimento atemporal.

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De certo modo, ele está certo. Existem os espertos e os otarios. Por mais que o capitalismo seja uma via de mão dupla onde as duas partes ganham, sim, o homem explora o homem.

      Mas acredito que o contexto em que ele disse foi exaltando o socialismo. Russell infelizmente era um socialista convicto.

      Excluir
    2. Permita-me a correção, CF.

      Russel era socialista no início de sua vida como pensador. Posteriormente ele mudou suas ideias. Ao longo das diversas obras escritas em sua vida, é perceptível a mudança de pensamento.

      Abraços.

      Excluir
  11. Gostei do seu texto, não concordo com algumas coisas, mas no geral é isso mesmo: "Mac Donalds is always hiring!". Conheci um pouco Portugal e o "jeito" dos portugueses trabalharem e deu pra notar que ainda tem muito a história das "cunhas" e uma meritocracia meio relativizada como é aqui no Brasil (talvez um pouco menos, herança?)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os Portugueses ão me parecem muito agressivos pra ganhar dinheiro. Acredito que por terem uma vida relativamente fácil tenham se tornado moles.

      Mesmo assim tem hustler em todo lugar.

      Excluir
  12. Trabalhei também com fast food e tive muitos aprendizados, como se tornar mais eficaz e ágil, ter auto estima inabalável (é impressionante como as pessoas adoram humilhar quem as serve), tenho muito respeito por esses trabalhadores.

    Sobre Portugal minha opinião é que até os ilegais conseguem trabalho, mas provavelmente será em restauração (restaurantes, fast food) e é muito cansativo, tem que estar preparado pra trabalhar dez horas diárias :-/

    Você vai escrever um livro?

    Abraços

    Joana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Joana, pretendo escrever um livro um dia, mas ainda não sei como monetizar essa ideia, e eu praticamente só trabalho se for pra ser pago.

      Um abraço, obrigado pela visita.

      Excluir