sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Está fácil fazer dinheiro com shitcoins

Olá amigos,

Como lhes contei estou formando uma carteira de moedas virtuais com foco em ter mais uma fonte de renda. Meu orçamento são 10.000 reais e acredito que vou tirar esse principal rápido do jeito que as coisas estão.

Não custa lembrar que nada do que eu digo ou faço é recomendação de investimento. Não sou profissional de investimentos e tudo aqui serve só como meu diário e opinião pessoal.

Do meu teto de 10k já aportei cerca de R$ 6500, e com isso só hoje coloquei quase 600 reais no bolso (estou um pouco perdido nos cálculos por causa das conversões). A volatilidade de algumas moedas é altíssima, e estou fazendo uso de uma estratégia bastante simples.

A primeira coisa que fiz foi escolher uma dúzia de moedas de tecnologia que considero interessante, pra diversificar meu capital (foi difícil pois é quase tudo bobagem ou coisas que nem a NASA vai usar). Depois penerei as que tem maior volume de negociação e a pouco tempo alcançaram seu topo histórico.

Mais nada.

As moedas que estou trocando são todas baratinhas, assim compro bastante e qualquer variação pra cima de alguns centavos dá um lucro decente.

Meu primeiro objetivo é recuperar o capital e sacar pra investir em outra coisa. Depois é continuar com um residual e pelo tempo que for possível fazer uma grana extra com poucos minutos de estudo por dia. Enquanto os mercados estiverem loucos, vou apostar nisso.

Quem sabe seja o lucro das moedas digitais que vão pagar meu futuro Mercedes sl 500 1992 duas portas? 

Abraço!

domingo, 7 de janeiro de 2018

Se você é odiado, está no caminho certo!

Olá amigos, é quase impressionante como a internet se tornou um espaço onde quem se expõe pode esperar com certeza tomar hate. Eu até hoje não tratei do assunto porque deixo claro, se você não gosta do meu estilo FODA-SE, mas quero com este post fazer a introdução para uma teoria de controle social a qual por muitos anos tenho estudado. Dela, vou tratar num próximo post.

As pessoas hoje passam muito tempo online, a maioria não tem maturidade nem autoconfiança, além de existir um status quo onde quem se desvia é criticado. Vou tratar dessa Matrix dos "caranguejos no barril" em breve, mas hoje apenas direi que haters são criaturas do submundo habitado pelos mais completos perdedores profissionais, incapazes de se dar conta que só prejudicam a si mesmos.

Hater ao ver alguém fora dos seus padrões

Existe uma diferença entre os haters e pessoas comuns que simplesmente fazem alguma crítica, que fique claro. Apesar do meu blog ser MEU BLOG e não um espaço democrático, sempre liberei qualquer conteúdo que não fosse puramente ofensivo, e assim pretendo continuar.

A questão é, ao invés de preocuparem-se consigo mesmos, em não conseguirem se puxar meia vez numa barra, com seu bolso roto, sua mãe obesa diabética, sua namorada vadia e por ai posso passar o dia todo, se preocupam com o que outro homem faz ou deixa de fazer da sua vida.

Qualquer motivo rolha como o modo como alguém se veste, no que trabalha, o que estuda, lê, assiste, escuta, onde mora, cor da pele, altura, opção sexual, onde investiu, opinião política ou algo que comentou toma grande importância em suas vidas. O ânus do hater começa a coçar na busca insaciável por atenção, ele loga anônimo (ou não, em casos ainda mais extremos, no youtube e Facebook) xinga e age como vigilante de veias de piroca alheia, o que provavelmente lhe trás algum prazer ou pelo menos ajuda a ignorar sua realidade deprimente. Só pode ser cara, não existe outra explicação.

No caso específico da nossa querida blogsfera, não vou falar dos gurus que compreendem literalmente tudo, mas tem dois exemplos que gostaria de citar por tratarem de assuntos que gosto de ler.

Primeiro é o caso dos QUEBRADOS (broke boys) que se julgam aptos a dizer o que outro homem deve fazer pra alcançar o sucesso. Quando  a meu ver alguém erra e comenta em seu blog, o máximo que comento é que o cara poderia diversificar, tomar cuidado com tal questão que pode lhe ter passado despercebida ou algo assim. De resto, como opiniões sobre carreira e dinheiro posto em meu próprio blog, lê e aceita quem quer e acabou.

De que importa na sua vida o quanto de grana um desconhecido tem e suas decisões financeiras... Principalmente se você é quebrado? Cara vai juntar uma grana antes de dar "dicas e truques" como se finanças tivesse gameshark ao invés de puro hustle e poupança.

O outro exemplo, que não conheço palavras tão degradantes pra descrever o asco, é mais generalista. É o dos anons que assinam seus comentários com uma espécie de currículo na esperança de serem levados à sério. O cara perde tempo xingando alguém na internet, e assina: "anon fodão - 2 milhões na conta", ou "anon do self service - dono de 3 restaurantes". Esses sim, posso dizer com certeza que não tem chance alguma na vida e provavelmente vão morrer devendo dinheiro.

A vida não perdoa quem perde tempo gastando energias no que outro homem faz ou deixa de fazer, a não ser que você seja bilhonario ou um jornalista imbecil. Se você é pobre, ou que seja, tem uns trocos e ainda está na luta como 99,9% dos seres humanos, ser hater ou ter qualquer tipo de soberba é como nadar contra a maré. Você NÃO VAI ganhar.

Use a blogsfera, livros, TV, parentes, escola, trabalho ou qualquer outra coisa unicamente para melhorar e crescer, esqueça os sentimentos fugazes e não perca seu precioso tempo. Pare de ser um manipulado fracassado e gaste sua energia ficando mais rico.

Finalizando, tenho a certeza de que quem recebe hate provavelmente está acertando. Ninguém inveja cara ralado, e nem gente de sucesso sai pela Internet tentando humilhar os outros e tentando parecer fodão.

Olhem o Trump, cara mais odiado da terra, provavelmente porque é o que mais teve sucesso em tudo. Recentemente os haters da mídia quiseram lhe atribuir problemas mentais, sendo que o cara claramente é um gênio e tem sucesso nos campos mais importantes da vida.

quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

Estado - a máquina de destruir empregos ataca novamente

Olá amigos, espero que tenham começado bem o ano como eu. Estou muito feliz vendo o "bolo" alcançando um tamanho legal.

Infelizmente más notícias. Hoje minha mulher comentou sobre uma lei que vai aniquilar os motoristas de Uber em São Paulo, cheia de exigências e lobby de mafiosos pra que ao invés do aplicativo ser uma fonte de renda e escape da miséria pra muitos desempregados, vire um ônus onde o pobre já começa pagando licenças e qualificações idiotas antes mesmo de começar a trabalhar. Eu fico chateado quando vejo medidas que dificultem a vida do hustler.

(Leia aqui). 

Aqui em Portugal aumentaram o salário mínimo, medida populista que dificulta empreendedores de contratar e as pessoas de se qualificarem. Não que seja por isso, mas minha esposa e eu estamos pensando em passar um tempo na Suíça ou outro país onde se faça mais grana, pra já aproveitar e conhecer outros lugares e culturas. Vamos amadurecer a ideia durante 2018.

Para o ano novo, nunca foi tão importante este vídeo do Bastter:



Ibov na máxima, continuo vendendo minhas ações com bons lucros e agora tenho pouca coisa. Comprei uns COEs de empresas americanas pra ver como funcionam. Também como tinha dito estou montando uma carteira modesta de moedas digitais. Não pretendo aportar mais de 10k nisso. 

sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

Bitcoin e os caipiras

Hoje o Btc está dando um crash forte, o qual acredito, e você não deve basear seus investimentos simplesmente no que eu acredito, que não vai se recuperar no longo prazo.

Porque eu faria uma aposta tão forte principalmente sabendo que as moedas digitais são cisnes negros que ameaçam o sistema financeiro atual? Simplesmente porque já existem, pelo que li, moedas com tecnologias bem melhores que o Btc pra se usar como dinheiro real, e essa é uma característica importante pra algo virar commoditie.

Todas as características que fizeram o Btc ser o que é são obsoletas nele. Não é tão anônimo, as transações são "lentas" e podem modificar o código sei lá como, ao contrário do que diziam no começo.

Aliás quase todo mundo que compra um ativo que não entende muito bem como funciona é pego no meio do caminho, e com tecnologias novas o furo é mais embaixo já que muitas vezes são apostas de que haverá mercado pra aquilo. 

Esses dias me perguntaram se eu não me arrependo de ter ficado de fora da super valorização do Btc, pois eu comprei duas em 2013 pra fazer uns trades e ano passado vendi. Eu respondo CLARO QUE NÃO. Eu teria me arrependido se tivesse perdido dinheiro (se fosse algum valor considerável, pois é aceitável perder um pouco em apostas). 

Como eu vou me arrepender de não ter apostado no cavalo vencedor da corrida de ontem? Se for assim devemos nos arrepender todos os dias. 

Diversificar em ativos de valor é o que diferencia os vencedores dos apostadores quebrados no longo prazo. Aprenda essa lição cedo.

A uns dias aprendi uma grande lição sobre economia com o programa Bizarre Foods do cheff Andrew Zimmern, onde o simpático gordinho viaja o mundo comendo coisas estranhas. Num tal episódio ele dividiu uma refeição com caipiras sulistas dos USA. Comeram ratos salteados, guaxinins fritos, castor assado e coisas do tipo. Uma velhota disse que o povo de lá sempre comeu aquilo, e durante a grande crise financeira de 1929 viu várias pessoas perderem o emprego e morrerem de fome por estarem muito expostas ao sistema financeiro.

Apenas como curiosidade, minha avó conta histórias parecidas. Ela e as irmãs que mantiveram sua terra e compraram pequenos imóveis hoje tem descendentes com um patrimônio respeitável. Os irmãos que venderam ou trocaram ao invés de acumular tem descendentes escravos do emprego. Pense nisso.

Quem se dá mal quando as bolhas estouram (um ciclo eterno no capitalismo) são justamente os que vendem até a casa (aqui) pra comprar o "ativo vencedor". Quando eu li isso, amigos, e que segundo o Bloomberg, mil pessoas controlam 40% das moedas (aqui) pensei que a hora de um crash estava próxima.

Moedas digitais talvez sejam o futuro, ou talvez voltemos a um nível mais mercantilista, talvez tudo vire comunista ou os governos coloquem e depois cortem zeros das moedas e as pessoas aceitem como fizeram até agora. Impossível saber (por isso estou montando o meu próprio fundo de moedinhas).

Mas uma coisa é certa. Prefiro aprender sobre economia com um caipira que come ratão do banhado do que com um desses marmanjos com aparência de mendigo que leram toda a obra libertária e gravam videos no porão da casa dos pais, mas que não tem habilidade alguma pra sobreviver no mundo real.

Um abraço a todos os leitores.

quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

Amigo secreto de empresa

Ontem participei do amigo secreto entre todos do restaurante e vi como o pessoal leva isso a sério. No dia que deram a ideia e distribuíram os nomes, decidi não ficar contra a manada (pra não ser atropelado). Só um cara que trabalha de dia não participou, aplicando que tinha médico no horário (não o recrimino).

Os presentes foram relativamente caros e rondavam os 25 euros. Teve comilança e palhaçadas. Gastei mais uns 5€ pra levar uns brigadeiros e o pessoal gostou. Eu nunca tinha participado disso pois não compensava financeiramente, já que eu era pobretão e sempre tive NOJO de low lifers que "pagam a conta". Pessoas sem grana que se prejudicam com gastos acima do possível em roupas, eventos sociais e presentes, ou seja, o pobre que merece ser pobre porque é otario.

Como exemplo pessoal, certa vez (acho que eu tinha uns 18 anos) fiz um churrasco com meus amigos e naquele dia se meteu um cara mais abastado, primo sei lá de quem, que ficou aporrinhando por um nível maior de qualidade. Por educação cedemos à pressão e gastamos um monte de grana em um churrasco que não foi nada divertido, pois não deu pra tratar de biscates lucrativos ou dos nossos interesses por ter esse chato aí e sua namorada no meio. Na época a divisão dava de 6 a 10 reais pra cada um e compravamos nem que fosse só pão, linguiça e cachaça, mas acho que perdi uns R$40 naquele dia (na época isso era um valor absurdo) e passei uns 2 meses quebrado, amaldiçoando nossa atitude de peão servil. Sobrou carne e vodka cara que ficou na casa desse idiota pra ele aproveitar sozinho no outro dia. Depois daquela vez nunca mais paguei a conta nem fiz sala pra gente de fora da minha gangue. Presentinho, saidinha em lugar caro com chatos ou chefinhos? Nem sob chuva de porrada.

Até hoje recebo críticas por ser seletivo demais. Mas o que o pobre comum faz? Gasta o que não tem e está sempre pagando juros no cartão. Pobres carpe diem geralmente não conseguem acreditar que poupando um excedente pra formar um colchão, mesmo que mirrado, vá lhe trazer vantagens e oportunidades. Então pronto, por questão de segurança não invisto tempo em pessoas que não demonstram ser financeiramente racionais. 

Na minha humilde opinião, pobretão não tem que gastar em supérfluos sociais, nem mesmo no intuito de manter um suposto bom ambiente profissional. Network de cara ralado NÃO FUNCIONA igual a quem já está mais confortável na carreira. O pobrão deve desenvolver habilidades lucrativas, ser sério e competente, e poupar todo o seu dinheiro. Cumprir seu horário e ir embora. Afinal não vai adiantar nada ostentar o que não é e não ficar mais rico com isso. Existem outras prioridades quando dar um presente DECENTE  for ferir seu orçamento, até porque se começar a participar vão te chamar pra cada vez mais coisas. No meu caso eu respondo "hehe estou aqui pra ganhar dinheiro, não pra gastar". Caras, tem gente PEDINDO presentes de natal lá. Vsf. Não sou papai noel.

Contudo, se você saiu do nível de sobrevivência e interagir mais não vai atrapalhar os aportes, isto pode sim valer a pena. 

Desta vez participei, por toda essa questão de eu pedir demissão para minha viagem ao Brasil. Queria sair com o mínimo de danos colaterais pra ter pra onde correr quando voltasse, mas nem precisei me demitir, vão me dar as férias. 

Presenteei uma colega com um perfume do Boticário que custou 15€ numa promoção da semana passada, a menina que recebeu pareceu ter gostado bastante e como no geral o produto tem seu valor um pouco mais alto, causou uma boa impressão, creio, até mesmo entre as fofoqueiras profissionais. Foi uma boa escolha da minha mulher (mulheres sabem dar presentes decentes, você deve aprender observando elas). Já tinha ouvido essa dica em algum lugar. Comprar prendas de qualidade caso as encontre em uma verdadeira promoção, para sempre ter algo para presentear numa emergência. Pra falar a verdade pretendo aprimorar essa tática pois pessoas ricas e admiráveis sempre tem um regalo à mão pra amolecer alguém.

Como deliberadamente decidi chegar  um pouquinho atrasado, meu presente ficou em cima dos outros e fui o primeiro a falar. Fiz aquele joguinho de dizer características pros outros adivinharem quem era minha amiga, e acho que não estavam esperando isso, mas acabaram levando o jogo até o fim. Citei as características positivas da pessoa, que aliás é bastante simpática, e isso é bom. Tenho uma boa oratória e comunicação e isso sempre me beneficiou muito. Recomendo a todos que estudem sobre o assunto e apurem sua técnica todos os dias (use livros e youtube). Ninguém quer estar junto à bárbaros burros e fedorentos que não sabem se expressar. Pense nisso, você deve parecer saudável, forte, confiante, cuidar da apresentação individual e se comunicar bem.

Na minha vez, ganhei uma mochila de playboy (essa aqui) e gostei muito pois estava precisando de uma assim pequena. Quando preciso carrego coisas em um saco de velame do EB mas ele não tem aparência profissional e me deixa com ar de caipira.

Lisboa é uma cidade onde as pessoas no geral mantém uma aparência respeitável e se importam com isso. Você facilmente distoa da manada de modo negativo e no meu caso devo ter cuidado especial pois tenho traços marcantes de descendente de condenados degredados. Uma menina mais nova lá do trampo, levemente alcoolizada e que ainda não tem trato profissional, fez três vezes piadinhas que "agora eu não precisava mais usar aquela... ", dando a entender que a escrotidão do meu bornal levou à escolha da mochila.

No fim da noite a gerente me chamou pra dizer mais uma vez que "tinha conseguido" esse lance das férias por não quererem me perder e blá-blá-blá. Falou várias vezes que eu era foda e me queria de volta lá. Estou feliz com isso e vou ficar atento, pois quanto mais esperam de si mais fácil é estragar tudo. 

Novamente este mês bateremos um record de grana e vão dar 50€ pra cada escravo.  A notícia foi recebida com festa entre eles, e pessoalmente sou grato pois nem devia receber isso e também pelo valor representar quase 1/8 do meu salário hauhauha.

domingo, 17 de dezembro de 2017

Meu trabalho e viagem pro Brasil

Olá amigos,

Pra mim é inacreditável pensar que já estamos a uma semana do natal um dos dias que eu mais gosto. Este ano fechei minha empresa, trabalhei como ajudante de carpinteiro (ano que vem vou me especializar neste trade), e com o fim do ano se aproximando peguei um biscate de meio expediente num restaurante.

Com a passagem comprada a alguns meses, claro que não falei nada pro capataz do local, ou não me dariam o emprego. Esses tempos me sondaram pra um cargo de gerente (eles passam fazendo perguntinhas e fofocando) e eu declinei automaticamente. Quer dizer, ao invés de fazer 400 e poucos euros por 30h semanais fixas vou ganhar 700 e pouco por 50h e um monte de responsabilidades idiotas e horarios rotativos?

Naquele post que eu acabei não postando, ia apontar alguns defeitos de meus colegas mas desisti. Foda-se quem fofoca. Não faça isso, nunca, nem em casa. Porém o pessoal lá tem um defeito comum em organogramas super verticalizados: não sabem o que fazer se algo sai do processo padrão.

Nesse tempo não consegui fazer o mínimo e cair fora. Trabalhei bem pra caralho (também, fazer caixa pelo amor de Deus...) mas tem gente que nem isso consegue, lidar com matemática de primeiro grau e ser cordial são duas habilidades que a massa não domina bem no mundo real. Foquei-me em construir uma reputação profissional pra ter pra onde correr ano que vem. Principalmente fiquei longe de fofocas, assuntos privativos e não me associei a feudos (chances pra isso nunca faltam). Pensava em sair mesmo, afinal empresa nenhuma fica na desvantagem pra um cara em período de experiência. 

Semana passada falei que ia sair a barata voou. Era todo mundo desesperado sem saber o que fazer. Após uns dias de fofoquinhas, me ofereceram uns dias de férias adiantadas (estou a 3 meses lá) ou seja, ao voltar vou ter emprego e se quiser sair apenas trabalho uns dias a mais "de graça". Puxaram meu sacão e disseram que não queriam me perder. Ótimo! É importante ter fluxo de caixa positivo, sempre.

Ao retornar vou cumprir o acordado, mas também procurar algo melhor pois não tenho fidelidade com emprego nenhum. Quero ser pago e não fazer amigos.

Tive mais uma ideia falando com um amigo sobre treinamento físico. Não tem caras fortes por aqui e eu posso tentar atuar em comerciais ou fotos pra lojas de roupas ano que vem. Eu tive um colega de faculdade que vivia disso. Seria mais um hustle e dinheiro no bolso.

Minha viagem ao Brasil também não vai ser uma despesa. Algum negócio imobiliário vai sair disso. Se não for construir algo ou comprar da Caixa, pretendo comprar  alguns terrenos nas vilas afastadas do centro cidade. Meus dois terrenos continuam valorizando a medida que constroem em volta.

Pretendo formar uma carteira de moedas digitais amanhã... Falaremos disso em breve.

Torçam por meus interesses empresariais pois eu torço pelos de vocês.

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Se você usa drogas não tem chance

Olá amigos, hoje vou lhes dizer o que penso sobre o uso de drogas.

Esses dias uma colega de escola e amiga de infância minha e da esposa veio falar no WhatsApp que estava fumando maconha, como se fosse um grande evento dos rebeldes fora da lei estressados com o mundo moderno. Achei aquilo tão idiota que fiquei refletindo. 

Não, não vou descrever que drogas são usadas pelo homem desde que os índios tibetanos fizeram o chá de sei lá o quê milênios atrás, que café também é uma droga, e nem falar que a guerra contra o tráfico é o que mata e legalizar acabaria com blá-blá-blá. Que maconha não faz mal, ou que causa esquizofrenia, ou que só causa em quem tem predisposição... Isso tudo é um monte de baboseira que não importa em nada e não devem ser argumentos válidos pra justificar ou não o uso de uma droga. As pessoas usam porque buscam prazeres e deu, independente de algo ser bom ou não pra sociedade ou saúde. 

Quero falar é da fragilidade do indivíduo perante o sistema e os danos que um vício trazem para o bolso e a qualidade de vida no geral.

Hoje em dia não é segredo, quase todo jovem experimenta drogas e está rodeado delas. Conseguir drogas é mais fácil que comprar um livro, então já viu. Uma legião de imbecis perdendo tempo, saúde e dinheiro em prazeres efêmeros. Tudo o que a classe que está no comando espera, pois terá menos concorrência pelo poder.

A midia glamouriza e retrata
Traficantes como caras admiráveis

Nos filmes de Hollywood o uso é sempre estimulado. Sempre tem o maconheiro legal ou o casal que fuma maconha no telhado enquanto discute a relação, e hoje violentos traficantes que no final se dão bem, então fique atento.

No Brasil usam o ethos do jeitinho e malandragem pra manter a população na catarse anticapitalista. Se você não é um favelado carpe diem amigo de esquerdistas drogadinhos está errado.

Na Rússia como vi um cara do governo do Putin dizer no youtube, a população foi vítima de um ataque de estereotipação (espero que esta palavra exista) de alcoolatra. Já vi o General Mad Dog falando sobre isso da Rússia também, e que por isso os russos não estavam prontos pra uma guerra contra os USA. Uma vez quando criança perguntei ao meu pai "porque todo russo era bêbado nos filmes" e meu pai disse que era por causa do frio. Resposta errada, bêbados são bebados porque são otarios e otarios raramente vencem na vida. Quando vejo esses moleques da blogsfera dizendo que sua vida é horrível e no fim de semana vai passar bêbado jogando videogame e escutando músicas deprimentes eu leio PERDEDOR.

Na Irlanda tem o estereótipo do alcoolatra brigão também. Características que influenciam negativamente qualquer jovem.

Não se trata de você "ter cabeça" pra não se deixar prejudicar e consumir alguma droga, ou de algum "pequeno" vício não lhe afetar as finanças  e nem de um ataque à sua liberdade de fazer o que quiser com sua vida. Todo ser humano se acha poderoso e independente a esse ponto.

À parte de terem muitos estudos que mostram que qualquer substância influi na sua saúde, existem estatísticas que se corretamente lidas, expõe que tanto o vício quanto o contato com ambientes de disfunção prejudicam seu sucesso e PONTO. Independente de você ser um super homem individualmente, são uma enorme perda de energia.

Lembre: você não é uma estrela do rock, é apenas um cara comum, e qualquer pisada fora da linha do sucesso é um passo PARA TRÁS. 

Não sou hipócrita pois gosto de apreciar cachaça artesanal e não sou nenhum Capitão América, mas pode saber amigo, se você usa drogas está fodido. Meu irmão se fodeu fortíssimo e alguns amigos da juventude também perderam tempo e energia nisso. As vezes leva à cadeia ou morte. Sempre se perde tempo andando com perdedores, e à perdas materiais.

O que eu concluí neste mundo onde a maioria é perdedora é que nossa amiga não agiu "fora da lei" torrando com orgulho seu baseado, e sim DENTRO DA LEI. Lei do fracasso. Não seja institucionalizado nem um seguidor, seja um líder e não se meta numa roleta onde você tem 99% de chance de perder.

É isso.