segunda-feira, 23 de julho de 2018

Você está pagando o preço justo pelo que consome?

Bom dia amigos, faz tempo que não posto aqui.

Meu último post foi ai do Brasil quando fui visitar a família. Aliás pretendo nos próximos meses comprar passagens para a próxima viagem. Consigo ida e volta por perto de R$ 3000,00 pois pego com escalas, mas a viagem demora muito e na próxima pretendo ir direto em apenas 10 horas pra aproveitar mais. Tem gente que afirma que pega por menos mas todos os meus conhecidos que vieram passear aqui pagaram bem mais por passagens diretas. Sempre desconfie de espertinhos descolados couch surfers. Já os denunciei no meu post sobre intercâmbio na Irlanda. 

Esses tempos um parente meu veio e ficou semanas passeando. Pensa em vir denovo ano que vem. Só vendo com os próprios olhos o quão barata é a vida e turismo em Portugal e esse assunto nunca se esgota em meu blog. Se o câmbio ajudasse mais brasileiros poderiam fazer a festa aqui. Também vieram dois casais de amigos.

A questão do câmbio tende a se agravar no próximo ano. Estou esperando inflação também, que o governo vai tentar maquiar pois está próximo de um calote segundo alguns economistas que leio. Com a greve dos caminhoneiros me relataram que a inflação real foi bem maior que a divulgada. Acredito que 2019 vai ter mais desse tipo de coisa. 

Um dos caras veio apresentar pesquisas acadêmicas em outros países. Hoje é super qualificado e sua mulher é formada em um curso universitário dos poucos que valem a pena (engenharia). Vamos voltar ao assunto à frente. A uns 10 anos as perspectivas pra um cara assim eram boas: "vai dar aula numa universidade e ganhar bem com certeza!". Hoje não sei. Acho que o melhor seria ele aproveitar seus contatos e dar um jeito de ir pra um país com o campo menos restrito. Esse pessoal todo com 30 e poucos anos que nunca trabalhou e se formou em coisas pouco úteis pra sociedade vai ser um estopim pra próxima crise financeira. 

Os outros são de TI e também uma engenharia. As duas engenheiras desempregadas e o cara de TI felizmente tem um bom emprego pago em dólar.

Como eu disse neste post, considero engenharias ótimas carreiras mas a civil é imbatível pois você tem as rédeas. Se eles fossem de civil estariam empreendendo nem que fosse em casinhas populares ou prestando algum serviço. Como não são, ficam reclamando de baixos salários e poucas oportunidades. Se eu fosse engenheiro civil não estaria sofrendo revezes e contratempos mesmo tendo lotes pra investir na cidade onde possuo dois tios com essa profissão que, no fundo, cagam pra mim.

As pessoas, incluindo familiares, te ajudam mas em geral consideram que você está bem o suficiente. Quanto mais controle e independência você tiver melhor será sua vida. Sempre observo os outros tento ir pela via oposta. Vejo sinergia potencial que deviam ser melhor aproveitada pelas famílias afim de enriquecer mais rápido. 

Voltando ao cara acadêmico, lembro em 2016 quando recém fora convidado por seu professor a participar dessa viagem, por ele sempre ser bastante aplicado. Sabia zero inglês, e dois anos depois apresentou estudos complicados e manteve conversas cientistas. Isso é um grande exemplo bastante inspirador, além de ter estudado de graça, sozinho, tirando algumas aulas pagas de conversação. É assim que se aprende qualquer coisa. De modo ativo, aplicado, e investindo o mínimo possível de recursos financeiros. Os brasileiros tem que aprender que ensino não é uma religião e quase nunca vale dinheiro e tempo que poderia ser gasto trabalhando e aportando em ativos.

Quanto a mim, continuo pulando de emprego em emprego part-time pra pagar as contas mas vou fazer um curso (gratuito) pra ganhar mais pois a oportunidade é boa. Na questão de investimentos, cheguei a um ponto do meu projeto em que vou transformar meu patrimônio nos próximos anos em imóveis.

Não pretendo voltar pra construção civil (continuo recebendo propostas até hoje). Aprendi tudo o que queria lá e mantenho o plano de administrar minhas obras no Brasil como era o plano. Nossa vida vai melhorar aqui nos próximos anos e visualizei o fim da turbulência dos períodos iniciais após imigração. Em breve vamos viver em uma praia maravilhosa e quem sabe aumentar a família.

O que nos leva ao tema principal do post. Você está pagando o preço justo por seus custos de vida? Está enriquecendo, mesmo que devagar? Ou sente que vive pra sustentar funcionários públicos e políticos?

Bem este foi por muitos anos um assunto que me causou bastante sofrimento e inclusive incentivou a criação deste blog. Sair do Brasil, essa prisão que suga todos os frutos do nosso trabalho. Consegui sair. Venci. Mas meus amigos, patrimônio e família ficaram e com eles parte do meu coração, o que me faz sempre olhar para trás.

O plano de deixar o Brasil foi acelerado pelo caos social causado pela esquerda e o PT. Pela falta de segurança e aumento dos custos básicos que inviabilizava investir em um projeto de vida mais completo. Ainda que eu pudesse aumentar o patrimônio e aproveitado algumas chances profissionais que tive, a hora de partir se apresentou, e eu agarrei.

Gostaria muito de ver nos comentários se vocês consideram justo o que pagam pelo que recebem em troca no Brasil. Me refiro a o quanto trabalham em relação à realização de seus próprios projetos. Você tem perspectivas de que vão dar certo? Para os que dizem sim eu sinto felicidade. Para os que dizem não, eu digo que vale a pena ir embora independente das dificuldades. 

Esse período de turbulência que todo imigrante enfrenta é causa da maioria dos casos de desistência desse tipo de projeto. Antes de partir, por ninguém ser muito afeto a trocar o certo por incertezas. Após, por em geral contar com pouco mais que sua fé de que vai arrumar um emprego, primeiro pra se manter, depois pra melhorar de vida. Também obter documentos que tem esse mesmo propósito.

Fui contactado por um antigo associado (não tenho amigos mas este é o mais próximo de  um irmão que tenho) que pretende deixar o Brasil ano que vem e considera Portugal. Fiquei feliz. Ajudar meus associados a deixar o Brasil é um objetivo meu, mesmo que eu não incentive a ninguém na "vida real" dadas as enormes dificuldades. Portugal é seguro. É barato. É lindo. Mas não se fica rico e tem as burocracias. Esse cara e sua namorada, concursada, notaram que não realizam nada no Brasil e acham que vai piorar. Mesma opinião que eu tinha, neste primeiro momento.

Porém com a felicidade desse contato me veio um grande desconforto. Dada a proximidade que tenho dessa pessoa sinto certa obrigação de ver seu projeto dar certo e valer a pena. Diferente de mim e minha esposa, eles não poderão contar com uma cidadania europeia e outras garantias. Posso ajudar oferecendo um teto mas o resto é na raça.

Nos últimos meses vi uma coisa bastante difícil acontecer. Vi patrões arrumando os documentos pra brasileiros trabalharem legalmente. Também vi um casal retornando ao Brasil em razão das dificuldades, e achei uma pena.

Prefiro não formular perspectivas e vou deixar claro todos os pontos positivos e negativos dessa mudança pela minha ótica.

Apenas mais uma coisa hoje, nosso amigo VDC infelizmente nos deixou. Foi o blogueiro com quem mais interagi aqui na blogsfera. Ele parecia ser uma pessoa legal e batalhadora, além de um exemplo de integridade. A notícia nos pegou de surpresa e não tenho palavras de conforto, mas desejo a seus próximos força neste momento. 

17 comentários:

  1. CF,

    " Sair do Brasil, essa prisão que suga todos os frutos do nosso trabalho."
    Você tem toda razão. E o mais desalentador, é que não vemos nenhuma possibilidade de melhora a curto, médio ou longo prazo... O custo-Brasil é muito alto para todos, ao mesmo tempo em que a morosidade e má vontade para resolução dos problemas internos (infraestrutura, por exemplo) é muito intensa.

    A questão da (in)segurança pública também é outro fator relevante, mas que não recebe a devida atenção dos governantes.

    Fez bem em sair daqui, desejo-lhe sucesso!

    Abraços,

    ResponderExcluir
  2. Olá CF,

    O Brasil é muito caro. Impostos são altos e o retorno é pouco. Dá raiva quando a gente vai a um supermercado e vê a quantidade de impostos cobrados. Tudo é caro aqui e tem péssima infraestrutura. Sem falar da mau educação e dos péssimos hábitos da população.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nada a acrescentar. Se puder vá embora, ou se refugie no campo.

      Excluir
  3. Muito bom, CF. Não suma mais, cara. Você acrescenta muito por aqui. Abraço!

    ResponderExcluir
  4. Boa CF! Valeu por postar.
    Amigo, eu decidi de longe morar em Ericeira até agora.
    Já fui no Algarve, mas lá não tem mt onda de surf e eu quero morar numa praia que dê para surfar.
    Já vi muitos vídeos e blogs sobre a vida em Ericeira/Mafra e gostei muito. Fui em Peniche e gostei mt, gosto da nostalgia da praia e de tudo que ela me faz sentir.

    Respondendo à sua pergunta: Para a grande maioria dos brasileiros, é horrível viver no Brasil pois as pessoas basicamente não prosperam ou prosperam muito pouco (após muitas décadas de trabalho). País bom é o que dá pra trabalhar e acumular patrimônio quando se é novo, essa é a única chance do ser humano ter alguma coisa na vida, pq depois de velho é muito mais difícil (não é a toa que os jovens portugueses meteram o pé de Portugal). Não dá pra viver de contemplação e aguardar a aposentadoria pública (mesmo que seja nos EUA, Portugal ou Grécia) - Os jovens tem que se preparar para o seu futuro e juntar dinheiro, esse é meu veredicto, todo o resto vem depois, pois sem dinheiro você não tem nada, nem amor, nem saúde, e quem diz que não é bem assim ou é pq tem pai rico ou nunca passou dificuldade na vida.

    Pra mim o Brasil tem dado certo pq consigo acumular alguma coisa, e espero atingir a IF antes dos 40 anos. Depois que atingir a IF vou meter o pé. Não tem sentido ser milionário num país caro e violento, não há lógica alguma, o cara tem que emigrar para um lugar melhor, mais seguro e possivelmente mais barato e é aí onde entra Portugal.

    Agora pra quem já ganha quase nada ou apenas subsiste já pode meter o pé do Brasil nesse momento, afinal de contas não tem muita coisa a perder.

    Sobre seu amigo, pode não dar certo pra ele, mas também pode dar, é um risco que ele tem que apostar e correr. Você tem que deixar bem claro que não há garantias, e que ele pode se dar bem ou não. No mais parabens pela atitude de hospedar alguém (muda totalmente a rotina da casa) e quando demora muito começa a gerar brigas e atritos.

    Abraço amigo!


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola Frugal, obrigado pela visita. Ainda não fui nas praias com cultura de surf. É um esporte que quero estudar no futuro (mesmo), pois gosto muito. Meu plano também é morar em uma praia. Ainda não decidimos qual mas vamos nos próximos anos.
      Concordo, tem que acumular patrimônio enquanto for novo. Abraçar a aventura e ir atrás de onde está a grana. Fiz isso ai no Brasil.

      Nisso o Brasil é bem melhor que Portugal pra quem tem um pouco de sorte. Quem não tem e faz parte da massa falida não faz mal ao meu ver de tentar a vida fora. Aqui se vive como um brasileiro classe média aposentado, ou seja, com o básicão garantido mas não muito mais que isso pois a esquerda maldita está impregnada na cultura e mantém as pessoas pobres.

      Vou deixar tudo muito claro pra meu amigo. Garantido só a morte.

      Grande abraço

      Excluir
  5. Olá CF,

    Com certeza não acho justo o esforço vs. retorno aqui no Brasil. Tudo é caro, lento, burocrático, inseguro, incerto, confuso. É uma verdadeira receita de bolo de como impedir que as pessoas prosperem, mas ainda nesse mar de lama há oportunidades.

    Adicionei seu blog na minha lista, se puder adicionar o meu aqui, agradeço. Abraço!

    https://economistavisual.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oportunidades sempre existem. Espero que você consiga as aproveitar! Grande abraço

      Excluir
  6. Olá CF!

    Que bom que voltou a postar cara, tava sentindo falta, seu blog é muito bom!

    Bem, eu tinha um sonho de empreender aqui no Bananil pra ganhar dinheiro e depois, uma vez conquistada a Independência Financeira, picar a mula, como fez o nosso amigo Rover em 2016, mas já há bastante tempo tenho vivido o dilema entre fazer o que disse acima ou já vazar de vez e empreender em Portugal mesmo, já que a selva tupiniquim está cada dia mais selvagem. Eu tenho também cidadania europeia (polonesa).

    Tem gente que diz que Portugal é bom para empreender, outros dizem que o Brasil é melhor. O fato é que no Brasil o retorno tributário é péssimo, mesmo que vc tenha um negócio lucrativo vc não pode contar com nada do serviço público, tem que pagar tudo por fora se quiser ter uma qualidade minimamente decente, o que encarece bastante o custo de vida. Fora o Custo-Brasil (bandidagem, infraestrutura, carga tributária, etc). Em Portugal mesmo com algumas burocracias e com carga tributária aparentemente bastante pesada, o retorno tributário é bem equilibrado, segundo relato de conhecidos que aí estão.
    Me preocupa apenas a disparada no custo de vida português em função do aumento exponencial dos alugueis (arrendamentos). Os salários em Portugal são baixos e não estão acompanhando essa evolução do mercado imobiliário. Não sei se há indícios de bolha. O resto, se me basear em relatos de conhecidos e pesquisas, tenho apenas elogios a tecer a Portugal, lógico que o país também tem vários problemas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você tem uma cidadania europeia, o que facilita imensamente tudo. Poderia inclusive estudar línguas e ir pra um país que cosidere pagar mais.
      Pra mim Portugal é bom pra viver, mas não pra ganhar dinheiro. Discordo quanto ao que você chama de retorno tributário. Aqui se você tiver a enorme sorte de fazer mais dinheiro começa a ser bastante penalizado e o estado te tira muito.
      A parte boa é abrir e fechar empresa bem mais fácil.

      Se você está com medo do aumento do custo de vida em Portugal, deveria estar preocupado com o Brasil. A classe média será destruída completamente com a crise atual causada pela esquerda.

      Não posso dar sugestões até pelo risco enorme que uma mudança assim acarreta e por razão do câmbio, mas eu iria embora do Brasil o quanto antes.

      Abração

      Excluir
  7. Olá CF, muito obrigado pelo comentário em resposta. Com relação à afirmação:

    "Discordo quanto ao que você chama de retorno tributário. Aqui se você tiver a enorme sorte de fazer mais dinheiro começa a ser bastante penalizado e o estado te tira muito".
    Então, quando eu estava falando sobre retorno tributário, era mais no sentido do tópico mesmo. O que quis dizer é mais ou menos o seguinte: paga-se muito imposto em Portugal, mas pelo menos ele é revertido (retorna) através de serviços públicos razoáveis e boa qualidade de vida. No Brasil, vc paga 2 vezes. Não pode contar com saúde e educação de qualidade, e paga escola (quem tem filhos) e plano de saúde Entende?
    Agora com relação aos impostos, a alíquota progressiva do imposto de renda de Portugal (que eles chamam de IRS) é realmente bastante pesada, a partir de uma faixa nem tão alta assim o governo morde quase metade. No entanto, conversando com um contabilista português, descobri que no caso de empreendedores há várias estratégicas contábeis para amenizar bastante essa carga tributária, tornando-a até um pouco mais baixa que a da média da UE e do Brasil. É oseguinte:
    O empreendedor Pessoa Jurídica (chamado Pessoa Coletiva em Portugal) paga praticamente apenas o IRC (uma espécie de Imposto de Renda de Pessoa Jurídica) de 21% e alguns encargos trabalhistas que são bem menores que no Brasil, sendo metade arcadas pelo próprio trabalhador e só retidas pelo empregador.Há outros pequenos impostos, mas são de menor relevância. Com relação ao famoso IVA, na maior parte das empresa não representa um custo, pois é repassado ao consumidor. Uma vez tributado os 21% na esfera da pessoa jurídica (IRC), ao retirar os lucros e dividendos o empreendedor é tributado novamente na esfera da Pessoa Física (IRS) e é aí que entram as mesmas alíquotas progressivas pesadíssimas dos trabalhadores e a sacada da estratégica contábil:
    Em Portugal é permitido o proprietário se registrar como gerente ou funcionário, e pagar um salário (Não é pró-labore, é salário mesmo!), nisso, pagando a si próprio um salário mais baixo, logo, quando tributado pelo IRS na esfera da Pessoa Física, vc estará na 1a ou 2a faixa da alíquota. Inclusive, vc estará reinvestindo grande parte dos lucros na empresa, aumentando seu valor de mercado, o que no final, como o Rover diz, ssaporrra é patrimônio meu mesmo, e a empresa, se revendida, o valor da transação não é pesadamente tributado como as alíquotas de IRS.
    Há também outras estratégias, como não realizar retiradas, entre outras. Em suma, nas conclusões da conversa com o contabilista deu pra entender o seguinte na lógica do governo de Portugal:

    - quer ser empregado assalariado ou autônomo chamado recibo-verde? - Te mordo a metade do que ganha pra bancar a "corja e o estado de bem estar social".

    - quer ser empresário com pessoa coletiva (PJ) estabelecida? - Te tributo de forma até leve na esfera jurídica, mas no entanto aplico as mesmas alíquotas pesadas na esfera da pessoa física, porém te dou umas válvulas de escape para essa segunda situação.
    Em suma, pelo que entendi Pessoa Jurídica pode ser bem menos tributada (menor até mesmo que no Brasil), mas com uma boa estratégia e orientação contábil. É como se fosse uma forma do governo estimular as pessoas a empreenderem, apesar de que não acho este o caminho correto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tive empresa aqui. Realmente tem diversas facilidades que você citou e mais outras. Porém continuo, aqui não se ganha dinheiro. Não a nível de obter IF como se consegue, de alguns modos, no Brasil.
      Mas aqui a vida ainda é boa e barata. É muito difícil dar qualquer opinião.

      Excluir
  8. Acho que a questão de não ganhar dinheiro aí é mais devido à demografia baixa e hábitos de consumo bem diferentes. Mas dependendo do nicho e segmento, por exemplo quem trabalha com uma base em Portugal mas visando o mercado europeu exportando, por exemplo. acredito que dá pra ganhar dinheiro sim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro que tem gente com dinheiro aqui. Mas o brasileiro comum que chega aqui tem é sorte se arrumar um emprego pra pagar as contas.

      Excluir