sábado, 9 de julho de 2016

Tenho uma ideia para aplicativo, como proceder?

Caros amigos, tenho uma ideia interessante para um aplicativo de celular. Preciso registrar de algum modo minha ideia antes de apresentar o projeto para uma empresa ou programador desenvolver.

Por enquanto só rabisquei o layout da interface e todas as funcionalidades do app (é uma ferramenta, parecida com esses apps lixos de finanças pessoais, porém de outra área). Imagino que um programador não tenha muitos problemas em desenvolver isso. Pensei em contratar freelancers indianos e tailandeses, mas como é importante e eles poderiam lançar esse produto em qualquer lugar do mundo não sei se arrisco.

Pelo que pesquisei não dá pra registrar ideias, teria que registrar o código fonte do app mas como mal sei usar o mouse e o teclado, isso é impossível para mim.

Tenho medo até que alguém no INPI venda minha ideia ou que demorem 10 anos para registar e por "coincidência"  alguém nos USA lance meu app durante este tempo. Vou tentar registrar aqui em Portugal.

Alguém aí pode me dar uma luz de como proceder?

20 comentários:

  1. Fiquei na dúvida tb agora q vc perguntou.
    Já tinha lido um post a respeito http://gordotetinha.blogspot.com.br/2016/04/como-desenvolver-meu-app-se-eu-nao-sei.html?m=1 mas ele fala, fala, fala e não dá uma resposta satisfatória.

    Talvez se pesquisar no google em inglês dê pr achar alguma coisa útil.

    Acho q em se tratando de apps, isso é mto complicado visto q tá cheio de app q faz a mesma coisa, só mudando o layout.

    Se descobrir alguma coisa, fala pra nós aí. Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Thiago, acho que ele disse tudo o que há para se dizer. O risco é alto e não tem jeito. Mais alto ainda pra quem entra com a grana e a ideia. O programador não corre risco algum.

      Excluir
  2. No mundo do software ou vc lança logo ou de nada adianta registrar. Vai no Fiverr, controi, lança e divulga. Se o app for bom, a patente vai ser o mercado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que você está certo. Esperar o registro me parece a opção mais perigosa. Além do quê com ou sem registro vão copiar.

      Excluir
  3. Seguinte...
    Você se quer mesmo registrar o software, terá que entregar o código fonte para o INPI. Você poderá entregar uma parte do código também.

    O INPI existiu porque antigamente era muito fácil copiar software alheio, até porque:
    1. Não existia google;
    2. Programar era muito dificil.. somente malucos faziam isso;
    3. Não existiam programas e jogos que te ajudavam a programar.

    Com isso foi necessário criar o INPI.

    Hoje em dia não te serve para nada ter registro no INPI.
    Mesmo que você registre seu software, se qualquer pessoa ver a sua ideia, irá fazer a mesma funcionalidade, porém de maneira distinta.

    Isso porque:
    1. o google é quase um pai para cada um de nós.
    2. Programar virou a coisa mais básica e banal que existe (viva a tecnologia!)
    3. Existem sites e programas que te ajudam a programar (para ter ideia, existem jogos de tablets para CRIANÇAS programarem.. :) )


    Registrar software no INPI não irá te servir para o que queres, fora que irá ga$$$tar um valor considerável para isso.


    just my 2 cents...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu fiz um semestre de ciência da computação, apesar de ter ido bem mas matérias, achei elas muito inúteis e fiquei com medo de um futuro que o Gordo Tetinha descreve, frio e solitário em meio a nerds e programadores pobres frustrados. Mesmo assim, não tenho a mínima capacidade de aprender a programar. Eu demoraria 10 anos e o resultado seria uma calculadora feia.

      Excluir
  4. Ola CF,

    Acho que e correr os riscos e contratar um programador.

    Tente enviar uma especificacao completa e salve os emails, acredito que podem servir como provas.

    Eu tambem tentaria contratar indianos.

    Abraco

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara que dilema. Vou pedir ajuda a um amigo que já contratou um programador para seu site, talvez dividir as custas e o lucro.

      Excluir
  5. Em Portugal eu não faço a menor ideia, mas no Brasil você tem que registrar o app como software/programa de computador, enviando o código fonte para o INPI e esperando uma verdadeira eternidade até eles concluírem o registro da patente.

    O INPI em regra só age "rápido" na base da porrada, ou seja, se depois de uns anos sem ter nenhuma resposta do INPI, você contratar advogado, entra com processo na justiça federal, pra justiça federal determinar ao INPI que conclua seu processo em um prazo X. Claro que isso envolve gastos (advogado, custas processuais) e incertezas (cada juiz é uma sentença).

    O lado bom é que o registro no INPI tem validade internacional, por conta de tratados internacionais, mas Portugal certamente também assinou esses tratados.

    O lado ruim, como já disseram mais acima, é que podem roubar sua ideia parafraseando seus códigos, e se fizerem isso acredito que você ficará numa situação complicada.

    Especificamente sobre apps, acredito que mais importante do que ser o primeiro a registrá-lo é ser o primeiro a se tornar famoso. Quem ganha grana e faz sucesso nessa área é quem consegue uma userbase gigante mais rápido que a concorrência. Existem apps fantásticos por aí que são muito pouco conhecidos, infelizmente uma boa ideia e um bom app não são o suficientes, o importante é fazer o app viralizar antes que a concorrência consiga.

    Boa sorte!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Até achei um app parecido com o que quero, mas foi mal feito e está em alguma língua nórdica, com bem poucos downloads. Vi bastante potencial nessa ferramenta pois já vi um profissional da área escrever ela num papel e ficou horrível... E ninguém carrega papel por aí.

      Certamente investiria muito em marketing em publicações especializadas para divulgar bastante. Aqui em Portugal também demora registrar, vi gente reclamando na Internet.

      Bom, acho que não tenho muito o que fazer além de arriscar.

      Excluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se for só pela grana adiantada da pra arriscar. O perigoso é entregar a ideia sem garantia nenhuma de que não vão te roubar.
      Talvez as empresas do ramo estejam acostumadas com contratos de confidencialidade. Vou consultar um advogado... Não tem como esperar pra registar o código fonte. Você fica totalmente na mão de um possível salafrario.

      Excluir
  7. É fácil. Contrate um programador. Que tenha algum registro (CNPJ serve). Faça um contrato básico explicando isso da cópia, que o código será seu, etc. As partes assinam. Lance no mercado e fique de olho nas cópias. Se a cópia sair, corra atrás e tente descobrir quem está por trás. Se for o programador.. você tem o contrato assinado. Processe e ganhe na justiça. Se a cópia vir de outra pessoa, aí não há nada a fazer. É a internet.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não resolve. O programador safado venderia a ideia.

      Vou ter que achar alguém que tenha mais o que perder que eu.

      Excluir
  8. Tbm tenho ideias semelhantes a essa, fico na dúvida se aprendo por conta própria a programar ou se peço ajuda.

    Vou fazer uma lista de várias áreas e o que seria útil pra cada uma delas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foda é que o dia que você aprender pra fazer tudo sozinho, a linguagem já vai ser obsoleta. Eu já tentei aprender Java, não consegui nem a calculadora.
      Por outro lado é uma vida de aprendizado e deve valer a pena.
      Considero programadores alphas mentais.

      Excluir
  9. Ideias não são protegidas por lei, só o trabalho pronto.
    Esqueça essa história de registro.
    Suas opções são: aprender a programar sozinho ou correr o risco de contratar alguém.
    Se quiser passo um texto que explica de forma resumida como desenvolver apps.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei se ajuda, mas segue aí:
      http://www.bravenewlife.com/09/my-android-app-creation-strategy/
      E parabéns pelo blog. Descobri apenas ontem é gostei bastante da qualidade dos poucos textos que li.
      Devo ler tudo aos poucos.

      Excluir
    2. Obrigado pelo texto e elogio. Comente sempre que possível.

      Excluir