sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Ameaça à vida

Hoje pela manhã bem cedo, minha esposa estava rumo a sua jornada de trabalho desgraçada de 10 horas na indústria na periferia, para pagar a bolsa família e os funcionários públicos, quando entra um marginal no seu ônibus, pula a catraca e começa a berrar que vai matar quem lhe tirar dali.


Ladrão usando pessoas como escudo humano.

O pior é que, mesmo o vagabundo tendo físico de usuário de crack, aparentando estar desarmado e o cobrador ser grandalhão, ninguém quis se meter com ele. Afinal, quem quer correr o risco de tomar um tiro ou possivelmente se contaminar com doenças batendo no cara? Um fiscal até ameaçou chamar "os home" (a polícia inútil) e disse que o carro tinha câmera de vídeo, mas o marginal respondeu que não estava nem ai e se chamasse ele ia dar um tiro.

Por sorte ele não assaltou ninguém até ali, somente ameaçou. Pois bem, minha esposa que sempre senta perto da porta entrou em pânico e saltou na primeira parada. O pior foi que os outros não estavam nem ai com as ameaças de morte ou de terem pago e o energúmeno não: estavam mais preocupados se iam chegar atrasados no trabalho, dada a banalização da violência no país.

A conclusão de minha esposa (que me ligou chorando e teve de faltar ao trabalho) do ocorrido foi que estes imundos não se preocupam nem um pouco com qualquer represália por seu comportamento inaceitável, pois a polícia jamais vai investigar quem pulou uma catraca, e que os vadios sabem que ninguém de bem pode andar armado, e se eventualmente alguém se defender provavelmente vai se ferrar pois temos um governo de esquerda, por isso abusam.


Esta republiqueta bananeira não é civilizada!

Quando eu era mais jovem vivia brigando e aprendi a ver nos olhos a intenção de alguém. Os vagabundos pensam duas vezes (se desarmados) quando tem alguém como eu por perto, pois se eu tiver a oportunidade mato o cara de tanto bater. E esta é nossa obrigação, pessoas de bem, mantermos-nos física e psicologicamente treinados e se possível carregar uma lâmina. Como já comentei, temos que responder à qualquer ameaça, ou caímos na espiral do silêncio.

As pessoas me perguntam porque estamos largando tudo (o pouco) que temos para ir para outro país trabalhar nos ditos "sub-empregos", mas é simples, para não ter mais que conviver com este tipo de gente.


Boa semana e até a declaração do fechamento mensal.

10 comentários:

  1. Meu caro conhecimento financeiro.
    A violência só tende aumentar neste cenário de recessão.
    Tenho até cala frios se este cenário se alongar em nossa economia por muito tempo !
    Para piorar é cada um por si nessa possilda de país.
    Qual parte da cidade sua esposa trabalha?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Trabalha no distrito industrial de uma cidade satélite. Fica uma hora no ônibus por causa do horário do rush. Por sorte pensei antes de alugar este apartamento em relação ao local. Moro a 100 metros do trabalho, e ela a uns 10 caminhando da parada de ônibus. Se tivesse pego um apto um pouco mais barato ela teria que pegar mais um ônibus.
      A violência está fora de controle aqui onde moro, e pior é que quando visito o interior, só vejo marginais.

      Excluir
  2. Há uns anos atrás fui de barco de Buenos Aires para Colonia del Sacramento com um casal do País de Gales.

    Não lembro bem o que aconteceu, acho que a Argentina estava em horário de verão e o Uruguai não (ou o contrário), daí por conta da diferença de horário perdemos a volta do barco para Buenos Aires.

    Resolvemos dormir na rua mesmo, pra pegar o primeiro barco que estivesse disponível no dia seguinte.

    Eles passaram a madrugada inteira na maior serenidade pois nasceram e cresceram sem saber o que é violência. Eu, como bom morador do sudeste brasileiro, ficava bastante preocupado com qualquer ser vivo que passasse perto de nós na madrugada. Eles achavam graça da minha paranoia e eu fiquei ali pensando que deve ser realmente fantástico morar num lugar onde você não precisa ter medo nem se sentir refém da violência.

    Melhoras pra sua esposa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As vezes penso em como esses caras de países decentes não estão preparados pra esta selva em que moramos. O máximo que pode lhes acontecer é ser assaltado por um pivete, uma vez na vida, voltando as 2 da manhã a pé de um bar pra casa.
      Ela está bem, não tem o que fazer.

      Excluir
  3. No interior infelizmente não está muito diferente. Aqui onde moro recentemente entraram na casa do prefeito e levaram uma máquina fotográfica bem cara. Fora furtos em outras residências. A matéria do prefeito saiu num programa regional, com mais outros casos.
    Apartamento só dá uma sensação de segurança maior ou é mesmo mais seguro do que casa?
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Apartamento é mais seguro pois, falando das cidades maiores, casas ficam em lugares mais afastados. Pra ter uma casa tem que ter muro/grade, alarme e um cachorro destruidor, o que trás gastos.
      Muito da comparação entre os dois é da região. Não adianta nada o prédio ser inseguro ou em uma região com muito crime. O problema maior do apartamento são os vizinhos.

      Excluir
  4. Cara, que merda! Hoje em dia temos que contar com a sorte mesmo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aí se vê que moramos na latrina do mundo. Um abraço.

      Excluir
  5. Que chato hein CF, o psicologico é ferido e demorar a sarar, já fui assaltado 3 vezes a mão armada, é uma sensação de fraqueza que voce se sente um bosta, um nada... Não podendo reagir... Depois que comprei minha 765 saio mais sossegado e esperando que apareçam novamente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desculpe a demora em responder! Que bom que você anda armado. Por enquanto porto apenas uma faca. Vou fazer um post sobre minha experiência com armamento em breve.

      Excluir